sexta-feira, 31 de julho de 2009

O Poder Televisivo


É de costume as pessoas mais intelectualizadas terem o hábito clichê de repudiar a televisão. Entretanto, essa recusa baseia-se em um medo difuso, não muito bem consolidado, tampouco objetivo. O receio que paira sobre as mentes abertas é de serem apanhadas pela pavorosa alienação. Mas pouco se reflete como um simples aparelho pode ser genitor de uma causa tão espúria e macabra. A teoria fundamenta-se no seguinte:

Desde seu surgimento, a televisão foi feita pela elite e para a elite. Sendo assim, os “donos” do aparelho elaboravam programações especificamente para seus semelhantes, tendo em vista o altíssimo valor dos equipamentos, somente acessíveis à minoria elitizada econômica e culturalmente.

O tempo passou, e o grande negócio incipiente não seria capaz de manter-se, lucrativamente, sem sua popularização. E assim foi feito. Em pouco tempo, a televisão já estava na maioria dos lares do “povo”. Contudo, a programação sofreu mudanças drásticas somente em sua superfície, mas não em seu fundamento; a televisão continuou com seu caráter elitista; o povo via, mas não [se] via nela. As mudanças “drásticas”, na realidade, foram pequenos ajustes que possibilitaram ao “Homer” (como é tratado o “povo” por alguns marajás da comunicação, fazendo referência ao estúpido personagem dos desenhos animados) compreender minimamente o que estava sendo difundido. Criaram-se as telenovelas: nada mais do que cenas do cotidiano da elite, ou de um povo elitizado. Um cotidiano distante (do grego tele – distante) da realidade do povo, mas ao mesmo tempo, suficientemente cativante.

Então, o que se vê na televisão, hoje em dia, são, predominantemente, as excentricidades da vida: empresários ultra bem-sucedidos como Bill Gates; os homens mais influentes [do mundo]; as mulheres mais belas [do mundo]; os melhores jogadores [do mundo]; os maiores criminosos [do mundo]; a rainha dos baixinhos; o rei do pop; o fenômeno disso, a revelação daquilo; e, até, as pessoas mais feias; mais gordas; mais magras; mais isso, menos aquilo; e etc. No entanto, a percepção humana não interpreta essas personalidades excêntricas como apenas fragmentos sendo difundidas através de um aparelho que as agrega. Mas sim as percebe como se todas estivessem em um espaço físico único e determinado. Ninguém diz: eu vi fulano no programa tal. Todos dizem: eu vi fulano na [TV]. E essa informação basta para que todos entendam o significado desse código. Todavia, é descartada totalmente a enorme diferença entre ver alguém no programa sensacionalista da emissora retardatária, e ver essa mesma pessoa no programa de entrevistas da emissora segmentada, mas nem por isso menos influente.

Alguém estar na TV é o mesmo que esse alguém estar imerso em um mundo fantástico: uma sala na qual dividem espaço Ronaldo, Gisele, Michael Jackson, Airton Sena, Bush e etc. É como ser convidado para uma festa que somente os melhores, mais importantes e mais influentes são convidados. Estar na TV é ser parte integrante do mundo dos poderosos; é ser também um poderoso. Por essa razão, a televisão exerce esse poder quase hipnótico nos telespectadores.

A elite, mantendo restrito o acesso a esse meio, torna gratificante o fato de se ser “selecionado” a integrá-lo. Devido a isso, as pessoas não cobram para terem sua imagem exposta. Estar sendo divulgado já é a maior recompensa que alguém pode obter. O status de estar na mesma tela que o presidente dos Estados Unidos, ter o mesmo enquadramento que Elvis, usar o mesmo tempo de fala de Maradona e todas as outras características que são idênticas a qualquer pessoa excêntrica veiculada na televisão não tem preço.

Tudo isso forma a periculosidade da televisão. Uma afirmação dada na TV traz consigo toda a reputação e credibilidade do Papa, de Raul Seixas, da Madre Teresa, Paulo Freire e de qualquer outra personalidade que já foi meticulosamente selecionada para integrar o rol dos “escolhidos”. Desta forma é que se cria a fascinação por aqueles e por aquilo que “aparece” na televisão. Por essa razão que até os mais sábios, após sessões de lavagem cerebral indireta, podem passar a admirar pessoas inseridas no padrão de beleza; achar marcas, modelos de veículos e roupas mais atraentes; e realmente acreditar na superioridade de certos produtos alimentícios.

O medo da alienação reside em nossa desconfiança em relação às nossas faculdade psíquicas que podem falhar ao discernir os fragmentos que inundam a tela do todo complexo que é a televisão. Qualquer um sabe que certo programa não merece credibilidade, entretanto podemos falhar em repudiar a pseudo-veracidade desse programa, devido a toda a carga de credibilidade que outros programas em certas épocas transmitiram.

O grande risco que a televisão representa à sanidade intelectual é a fácil substituição da parte pelo inteiro. Precisamos doutrinar nossa mente a reconhecer cada fragmento exposto como apenas um fragmento e nada mais que isso. Sem carga passada ou atributos agregados. Cada momento televisivo deve ser um momento iniciado e acabado nele mesmo, sem deixar resquícios ou margem a interpretações subsequentes ou adjacentes.

O trabalho de ourives até podermos, em segurança, subtrair algo de útil do instrumento doutrinário das elites é árduo. Então, pelo sim, pelo não, deixá-la desligada é a atitude mais prudente.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Marxismo de Direita



Dando vazão aos protestos acalorados da esquerda, o Ministério Público Estadual do Rio Grande do Sul, com o aval do governo do Estado, toma uma medida que irá dar o que falar. Desta vez, a onça cutucada foi o MST, através do cancelamento do convênio com a entidade responsável por contratar e gerenciar professores para as escolas itinerantes, montadas nos acampamentos dos sem terra.

As escolas itinerantes pioneiras foram concebidas em 1996, no Rio Grande do Sul. A intenção delas era dar maior facilidade e comodidade para os alunos chegarem à escola, já que eram montadas no próprio acampamento em que estavam alojadas as famílias dos educandos e, por serem escolas “nômades”, poderiam ir e vir juntamente com os estudantes, sem que o andamento da matéria fosse perdido. Apesar de as escolas contarem com uma infraestrutura extremamente precária: lonas pretas como teto, cadeiras – quando existentes – velhas e as secretarias estaduais de educação locais nem sempre fornecendo os materiais didáticos essenciais, elas atingiram um grau considerável de desenvolvimento, estando, hoje, presentes em 6 Estados: Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Goiás e Alagoas; distribuídas em 45 unidades e um quadro operacional de 350 educadores.

As escolas do movimento, ainda que contem com o apoio das secretárias de educação, mantêm sua linha pedagógica autônoma. O currículo é elaborado de acordo com as necessidades e possibilidades de cada região. Em alguns estados, como no Paraná, são trabalhados "ciclos", em vez de séries, oferecendo um tempo de formação necessário para o aluno obter aquele conhecimento. Ao passo que em Santa Catarina foi adotado a chamada educação multiseriada, com um ou dois professores para várias séries. Todas as escolas têm seu diploma reconhecido pelo MEC, e as palavras do Secretario de Educação do Paraná, Maurício Requião, salientam a qualidade atingida por elas: “Não sei se algum município consegue oferecer um ensino de qualidade tão grande como esse do MST”. Maurício disse, ainda, que esta é uma parceria extremamente gratificante, “pelo engajamento e paixão com que esses educadores dedicam-se às crianças e aos jovens”.

Outro fator importante para a gênese das escolas – e talvez, principalmente por esse motivo o interesse do governo direitista em desfazê-las – é o de elas serem centros de disseminação de ideais socialistas. Segundo o Procurador de Justiça do Estado Gilberto Thums, “essas escolas fazem uma lavagem cerebral para passar teorias marxistas. Os estudantes recebem uma educação alienante”. Para o procurador, o certo seria “orientar as crianças sobre a possibilidade de se integrarem ao mundo que está aí, ao mundo produtivo, e o MST quer implantar uma sociedade socialista”.

O quadro que se desenha é a velha queda de braço entre a direita conservadora e a esquerda radical, impasse que, na prática, não leva a lugar algum. De um lado, a direita querendo garantir sua tranquilidade e suas posses; do outro, a esquerda querendo angariar mais espaço no cenário político e - na teoria, pelo menos – modificar a sociedade, tornando-a – com as bênçãos de Marx – justa e igualitária.

O MST vem crescendo gradativamente, tornando-se um movimento cada vez mais respeitável e forte; entretanto, as manchas de sangue e destruição deixadas, muitas vezes, nas fazendas improdutivas pelas quais ele passou, sujam sua ideologia tão nobre.

MST: guerrilha ou movimento de contestação social? Nem um, nem outro; ou, talvez, os dois. Quando foi fundado, em 1984, em Cascavel (PR), a ideologia de sua cúpula dirigente, incontestavelmente, era a de um bom e dedicado movimento marxista; contudo, com o passar dos anos, após conquistar cifras que lhe propiciaram simpatia internacional: 1,5 milhões de afiliados; cerca de 350 mil famílias assentadas e outras 80 mil em acampamentos, a cúpula acabou por desviar suas mais urgentes reivindicações e passou a – não raras vezes – infringir leis e tentar impor seus ideais à força, com demonstrações de vandalismo e de violência, dando razão às argumentações direitistas que querem considerar o movimento uma guerrilha rural formada para destituir o Estado Democrático de Direito. Excessos sensacionalistas à parte, o que há, em verdade, é que, conseguido um lugar representativo no cenário político, sua “diretoria” – ou pelo menos parte dela - se vendeu à ambição - escamoteada no velho ideal socialista, que sempre soa de maneira altruísta. Não esqueçamos que usando desta artimanha de persuasão, Stalin ascendeu ao poder.

Embora não se dê para assinar em baixo em todas as ações do MST – principalmente as que envolvem: saques; homicídios em confrontos; tomada de propriedades, sem a anuência da justiça; invasões de domicilio; sequestros e porte ilegal de armas; sem contar o teórico envolvimento do movimento com as FARC -, as medidas pretendidas a serem adotadas pelo governo em conjunto com o Ministério Público não são aceitáveis em uma sociedade dita democrática.

Sem dúvida, existe muita sujeira por baixo das enxadas dos sem-terra, e é ela quem faz perdurar a lástima de muitas famílias as quais realmente estão engajadas por acreditarem nos ideais propostos pelo movimento. Enquanto ainda há cerca de 80 mil famílias reclamando um espaço para produzir, existem porções de terra, doadas pela União ao movimento, que continuam improdutivas: apenas têm casas e bandeiras para demarcar o território.

O camponês, quando adquire seu espaço, na realidade, não o adquiri de fato; pois, pelas diretrizes do movimento, não se pode ter o título de propriedade, já que isso feriria um importante princípio do socialismo pregado. Todavia, sem o título, o donatário da terra, só está ali enquanto cumprir com as exigências e anseios do movimento, o que, sem dúvida, permite a manipulação das massas.

Entretanto, é o absurdo do autoritarismo e da arbitrariedade, tanto colocar o movimento na ilegalidade quanto fechar as escolas campesinas. Se o MST é, de fato, uma "organização criminosa", como sentencia o procurador gaúcho, então devem ser tomadas, impreterivelmente, todas as medidas legais cabíveis. Uma máfia, uma gangue, uma quadrilha, ou o MST – quando infrator - devem ser cassados, julgados e punidos da mesma forma. Se há o desmantelamento de grupos criminosos, por que não haveria de ter o dos sem-terra? O governo não deve se fazer de vítima e dizer estar com as mãos atadas, pois o seu medo real é mexer no vespeiro que se tornou o movimento; dentro dele há muitas histórias e historiadores. Com o movimento sendo remexido, muitos partidários da oposição – e seus respectivos rabos-presos - estarão encurralados, e, então, não tendo nada mais a perder, levarão consigo muitos partidários da situação. Adotando essa atitude fascista, o governo mata dois coelhos com uma cajadada só: se livra do movimento de contestação e força popular, e, ao mesmo tempo, sepulta “males entendidos” do passado.

Podem vir falar, mas tudo é estória! As escolas devem ser mantidas! Se é lavagem cerebral ou não, depende do ponto de vista. Para um camponês, lavagem cerebral é a educação dada nas instituições regulares de ensino, as quais segregam - ou incluem muito pouco - a história e vivência dos sem-terra, preparando os alunos para um mundo consumista e egoísta. Se esta metodologia – a socialista pregada nas escolas itinerantes - estiver precipitada e não for compatível para o desenvolvimento dessas futuras crianças dentro da sociedade atual, infelizmente, quem arcará com isso serão elas próprias e os futuros governos. Elas por fatalidade do destino; e os futuros governos por incompetência dos gestores anteriores: corruptos e gananciosos que não souberam dizimar o mal pela raiz, através dos pilares básicos: saúde, segurança, educação, habitação e emprego sustentável.

Não me venham dizer que estão preocupados com o destino dessas crianças, pois o que elas têm de diferente das da vila do lado da minha casa? Por que as daqui passam a madrugada se prostituindo e cheirando Crack, e nem ao menos o conselho tutelar aparece para apurar as denúncias? As daqui, nem a escola conhecem. As de lá, ao menos, a certeza de que sabem ler eu tenho. Se leem “O Capital” ou “A Riqueza das Nações”, aí já são outros quinhentos.


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

A Religião da Minha Vizinha


O Cristianismo, com o Edito de Milão, em 313 depois de Cristo, foi legalizado pelo império romano. Com essa medida, a religião, de plebeia, paulatinamente, ascendeu a patamares cada vez mais elevados, até que em 395 d.C., por decreto do imperador Teodósio, ela passa a ser a religião oficial dos romanos.

Com a invasão dos bárbaros, e a consequente derrocada do império, a Igreja firmou-se como instituição proeminente, pois fora a única de destaque que havia resistido às investidas dos povos forasteiros.

A aproximação entre Igreja e reis bárbaros, os quais ansiavam ter seu poder, enfim, legitimado, deu mais força à Igreja, que durante 977 anos foi a instituição hegemônica do mundo ocidental. O período hoje denominado Idade Média, que compreende esses quase mil anos, foi reconhecido pelos pensadores renascentistas do século XV como a idade das trevas, nome esse dado, segundo eles, devido ao atraso intelectual ao qual a sociedade feudal fora submetida. Atualmente, sabe-se que não é justa a denominação “idade das trevas”, pois, à sua maneira, a idade média contribuiu para o desenvolvimento da civilização ocidental. No entanto, também é sabido que a vida levada à base de fé, trabalho e guerra – principais dogmas pregados pela Igreja daquela época – não fora capaz de manter a sociedade imune às intempéries da evolução.

O Cristianismo, e a Igreja Católica principalmente, com o passar dos anos vê seu número de fervorosos adeptos reduzindo-se. Mesmo que o Vaticano sempre esteja oscilando entre déficit e superávit, os dados referente às suas finanças de 2007 são uma boa base a se ter do problema enfrentado pela Igreja: 9 milhões de Euros foi o rombo que o Vaticano anunciou ter. Essa perda de capital se deve, além das crises constantes do mercado, ao abandono, em massa, dos fiéis, que, entre outros motivos, alegam a inadequação da Igreja às novas tendências da modernidade, e outros, ainda, salientam a imoralidade e corrupção implantada do cerne da instituição.

Sacerdotes acusados por pedofilia – processos que deverão custar a bagatela de aproximadamente 2 bilhões de dólares em indenizações aos cofres da Santa Sé – é a principal razão de descontentamento dos adeptos. Além desses crimes, a Igreja já foi enquadrada em outros delitos “modernos” como o ocorrido no início da década de 80: a quebra do Banco Ambrosiano, de Milão, do qual o Instituto para Obras Religiosas (o Banco do Vaticano) era um dos principais acionistas. À frente do Banco do Vaticano, estava o arcebispo Paul Marcinkus, suspeito de envolvimento, como avalista, no esquema de empréstimos fraudulentos no total de 1,4 bilhão de dólares. Para piorar, Roberto Calvi, presidente do Banco Ambrosiano, apareceu enforcado sob uma ponte do Rio Tâmisa, em Londres, levantando suspeitas de que fora assassinado como queima de arquivo.

Ao analisar-se a história com olhar crítico não se pode cometer anacronismos – perceber certas conjunturas de épocas longínquas com pressupostos atuais, ou vice-versa. Ou seja, só um fanático religioso não percebe que a Igreja, como um todo, é uma instituição corrompida. E essa corrupção vem de séculos, desde muito antes de Martinho Lutero pregar suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, criticando ferozmente, entre outras práticas, a venda de indulgências.

Uma religião, uma filosofia, uma doutrina ou qualquer outro engajamento tem seu valor, desde que interpretado corretamente. É inconcebível, nos dias de hoje, meninas e meninos se dizerem adeptos incondicionais dos dogmas tradicionais da Igreja, pois eles foram escritos e utilizados por sociedades que desconheciam os “prazeres” das badaladas casas noturnas, ou os programas tão “sugestivos” que lotam os canais abertos de nossas televisões, ou toda a facilidade disponível para se “trocar informações” através de messengers, celulares e, principalmente, através da Internet.

Não é uma anomalia ver alguém dado inteiramente à devoção, muito pelo contrário, a facilidade de abrir-se essas “empresas da fé” tornou a religião uma epidemia mundial; qualquer um pode ouvir e saber as tais palavras de Cristo. O que muito me preocupa é saber como nossos adolescente conciliam as palavras do Senhor com as novas tendências em se divertir. O pensamento religioso é arcaico e retrógrado, todavia o mundo moderno é veloz e almeja o progresso a todo custo. Não me venham dizer que uma menina se produz toda para ir a uma “balada” com as amigas simplesmente pelo gosto de dançar. Nossas festas atuais, há muito abandonaram esse propósito. E além do mais, ninguém sai às ruas sem malícia; nos tempos modernos, a ingenuidade não é sinônimo de pureza, mas sim indício de retardo mental; nossas crianças já aprendem a “brincar” olhando nossos programinhas infantis, nos quais sempre há uma apresentadora sedutora que encarna o papel de musa dos nossos baixinhos e referência de nossas baixinhas. No berço mesmo, os meninos já aprendem o que é tesão; e as meninas a como se portar para provocá-lo nos meninos.

É uma pena, não estou aqui para apoiar, mas a televisão é ateia. Fazer o quê? O deus dela são as cifras que aumentam junto com os pontos do IBOPE, custe o que custar doa em quem doer. E onde está doendo, e muito, é no caráter dos nossos jovens; a hipocrisia está se alastrando. Meninas com corpos de diaba e rostinhos angelicais estão dominando as casas noturnas das grandes cidades. Com uma bíblia em baixo do braço e várias camisinhas no bolso, elas saem para ensinar AS VÁRIAS POSIÇÕES [tomadas por Cristo durante sua estada na Terra] aos meninos. E a recíproca também é verdadeira, Jeremias que o diga.

Os dogmas tradicionais da Igreja são reacionários, totalmente antiquados. Os velhos princípios basilares da família já ruíram, assim como a própria família. Essas instituições milenares encontraram novos métodos de se manter e evoluir. Interpretar as novas tendências, estudá-las, compreendê-las e, por fim, julgá-las - com opinião própria - é a função dos seres pensantes nesse século XXI. Simplesmente verbalizar aquilo que foi ouvido não é o caminho certo à salvação, à iluminação, à sapiência ou a qualquer outro estágio ômega da existência.

Assim como eu não acredito na minha vizinha, você deveria duvidar das suas convicções. Príncipes encantados não existem, então aproveite o sapo que você tem. Relaxe e goze. Se não gozar, o sapo gozará e pulará fora. Pois, assim como ninguém mais é preso por desfloramento, o sexo deixou de ser feito somente para reprodução.

Estamos em uma nova era. Não se deve seguir alguma religião como uma lei a ser cumprida, mas sim como sugestões a serem consentidas - ou não.


O KBÇAPOETA







"A ARTE URBANA DE CUIABÁ, MÚSICA, POESIA E ÁCIDAS OPINIÕES."


¿Psicodelia Sarcástica¡





"Humor, Inteligência , Sandices e Pérolas da Mente Humana..."

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Pimenta Na Jurisdição Dos Outros É Refresco



O Estados Unidos da América é um país que tem muito a ensinar ao ocidente contemporâneo - em se tratando de direito constitucional, pelo menos-, pois, desde sua independência, em 1783, a constituição permanece inalterada, inclusive – por incrível que pareça- as cláusulas que tratam do direito à liberdade. Ou seja, é mais ou menos como vovó já dizia: “todos são inocentes até que se prove o contrário”.

Mas alguém poderia instigar: como os norte-americanos podem tanto se gabar de sua liberdade, defendida com unhas e dentes em sua carta magna, se mantêm prisioneiros, que nem acusações têm, por mais de 3 anos confinados, sem direito a advogado, ou direito a responder o processo em liberdade, ou, sequer, o tão básico “direito a um telefonema”? Qual a mágica para um país manter-se soberano, conclamando-se o defensor dos direitos civis, e, por outro lado, fazer uso indiscriminado da tortura – física, psicológica e moral - e de tantas outras formas degradantes de exibir sua soberba imperialista? Bem, a resposta é simples - talvez não tão simples assim. O primeiro passo para essa façanha é ser um trapaceiro de mão cheia. O segundo é contar com boas quantias de dinheiro – conseguidas através do passo 1. E o terceiro - e mais importante - é adquirir, através dos passos 1 e 2, um grande poder de barganha com os demais Estados falidos. E pronto, é assim que o Tio Sam mantém sua conduta de defensor da liberdade e, em contrapartida, é o algoz mais pecaminoso dessa rocha flutuante em que moramos.

Após a “independência” de Cuba, em 1898, graças a “ajuda” indispensável e abnegada dos Estates , a ilha do açúcar ficou completamente sitiada pelas tropas americanas, as quais tinham a nobre missão de manter – a qualquer custo – a ilha livre – palavra usada em todas suas variantes por nosso primos ricos. Entretanto, para fazer esse favor, os norte-americanos precisavam de um território, para que pudessem cumprir sua intenção de manter a liberdade - olha ela de novo aí. O território, cedido por governantes entreguistas – cupixas dos americanos -, é Guantánamo. Lá, uma base naval foi implantada, e através da emenda Platt foi garantido aos estadunidenses o direito inconteste de intervir, sempre quando necessário, em Cuba.

Pois bem - resumindo a ópera - o resultado disso foi que Guantánamo, de base naval, se tornou principalmente uma prisão sem lei, onde para ser preso, basta estar livre e falar árabe, ou usar turbante, ou ter barba de árabe, ou ser muçulmano, ou ... Bom, motivos de sobra existem para se ser levado a Guantánamo; para sair de lá, entretanto, os motivos já rareiam um pouco. Muitos dos presos que foram para esse paraíso dos psicopatas com bandeira verde para torturar e realizar todas suas fantasias inescrupulosas não voltaram. E os que voltaram, nunca mais serão os mesmos. Como o caso de Haji Nusrat Khan, um afegão paraplégico de 80 anos, que foi levado de maca a Guantánamo, após o Departamento de Defesa americano acusá-lo de lutar no campo de batalha. Haji Nusrat Khan, apesar de ser paraplégico, tinha suas pernas acorrentadas, mesmo dentro da minúscula cela na qual era confinado. Além de Haji Nusrat Khan, muitos outros foram presos por acusações infundadas; e outros, ainda, sem nem ao menos acusações terem, simplesmente por serem “criminosos em potencial”.

O que exatamente se passa em Guantánamo ainda é obscuro à sociedade. Todavia, com as poucas informações vazadas, já se dá para ter uma noção da barbárie vivida por esses prisioneiros submetidos à tortura chinesa, afogamentos, vexames de toda arte e, acima de tudo, à degradação de terem suas convicções e ideais subjugados.

Mas o que os Estados Unidos têm haver com isso? Afinal esses acontecimentos não fazem parte da jurisdição deles, ora bolas...

A Economia Mundial


A economia mundial sofre influência da economia de cada um dos países que fazem parte da economia mundial. Sendo Assim, a economia mundial tem um papel importante na economia de cada um dos países que compõem a economia mundial.

A economia mundial, apesar de estar dividida em vários países que compõem a economia mundial, tem em alguns poucos países – os quais compõem a economia mundial – alicerces fundamentais para manter o perfeito funcionamento da economia mundial. Essa dependência que a economia mundial tem de poucos países faz com que a economia mundial seja sensível a problemas internos desses países – os quais são preponderantes na economia mundial. Dessa forma, a economia mundial, baseada na política “laissez-faire, laissez-passer” torna-se um modelo de economia mundial desequilibrado e não confiável. – principalmente aos grandes conglomerados financeiros que movem a economia mundial.

Essa contradição da economia mundial: capitalistas da economia mundial não confiando no modelo capitalista de economia mundial que criaram acaba por fazer a economia mundial brecar devido às contradições inerentes à economia mundial. No instante em que a economia mundial breca – devido à contradição dos capitalistas da economia mundial que passam a não confiar no modelo capitalista de economia mundial que criaram-, é muito complicado restabelecer-se a perfeita harmonia na economia mundial, pois a “mão invisível” que controla o mercado e, por conseguinte, a economia mundial está receosa pelo fato de muitos acionistas da economia mundial terem perdido verdadeiras fortunas do dia para a noite, por uma intempérie da economia mundial.

A economia mundial tem altos e baixos – prova disso foram as recessões enfrentadas pela economia mundial nos anos pós-guerra, anos esses em que a economia mundial vinha em ascendência contínua, graças a hegemonia incipiente conquistada na economia mundial pelos norte-americanos. O que essas crises da economia mundial trazem como constante é o fato de que sempre quando a economia mundial é calcada, majoritariamente, em poucos países da economia mundial, a economia mundial fica dependente do “bem-estar” desses países – nos quais é calcada a responsabilidade de guiar a economia mundial – o que faz a economia mundial ser, além de instável, uma grande arma para oprimir os demais países que compõem a economia mundial, pois qualquer política concorrencial desenvolvida pelos demais países que corroboram a economia mundial pode resultar o estopim de uma crise, haja vista que a economia mundial moderna está cada vez mais interligada.

Portanto, a economia mundial faz parte de uma economia mundial cada vez mais mundializada. E quanto mais mundializada for a economia mundial, menos o mundo vai ter uma economia mundial melhor para um mundo de economias mundiais espalhadas por todo o mundo.

A economia mundial é um pandemônio só compreendido por quem faz parte da economia mundial. Tentar desfazer esse emaranhado que é a economia mundial só faz eco à velha papagaiada que é a economia mundial.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Ser Pop Ou Não Ser? Eis a Questão...



Detonautas, seguindo a tendência de Los Hermanos, surgiu como uma banda infantil, com um som tosco e manjado, e evoluiu, alcançando uma qualidade tanto musical quanto conteudística bastante interessante no álbum "Rock Marciano" – o segundo da banda -, e manteve o estilo em "Psicodelia, Amor, Sexo & Distorção". Nesses dois Cds, apesar de arranjos simples, o som é bastante agressivo, o que propicia uma profusão de impressões. A propósito das letras, as músicas apresentam certa profundidade e algumas metáforas elaboradas. Contudo, a temática predominante é a introspectiva, com dosagens psicodélicas e surreais bem colocadas, mostrando todo o amadurecimento da banda.

Entretanto, em seu último álbum: "O Retorno de Saturno". A banda volta a fazer uso do "manual do pop", deixando bastante a desejar; ainda mais pelas expectativas plantadas devido ao ínterim de levada underground. Nesse álbum, a banda abandona as guitarras distorcidas e o tom vociferante, deixando o som a cargo do violão, das letras simples e das músicas curtas sem profundidade, excetuando as três últimas que contam com uma nobre intenção de engajamento social, tendo ainda uma releitura de “AA UU” dos Titãs na última faixa do disco, mas sem abandonar, totalmente, o timbre pop.

Em "O Retorno de Saturno", a evolução do nível das músicas é gradual, da primeira à última faixa; as primeiras são fracas, devido ao velho romantismo exacerbado, preponderando a temática do amor pueril. Da metade do disco em diante, as músicas tomam corpo, e embora nem todas as letras apresentem profundidade, o som da banda se mostra mais maduro e com uma variedade sonora mais rica.

Sem dúvida, o destaque do álbum fica a cargo da faixa "Ensaio Sobre a Cegueira". Além de ser trabalhada em uma entonação carregada e melancólica, a música conta com a poesia "Os Filhos da Morte Burra" de Edu Planchãsz que completa a obra prima da carreira dos Detonautas.

Percebe-se claramente o dilema vivido pela banda em cada álbum: de um lado, o mundo das luzes e da fama, garantido através de músicas sem lastro e medíocres, feitas ao gosto do mercado; do outro, a realização pessoal e reconhecimento do público atilado; todavia, sem contratos garantidos com as grandes gravadoras.

Mesmo com todos esses percalços, Detonautas é uma banda que vale a pena conferir. Se Tico Santa Cruz abandonasse totalmente a levada capitalista, teríamos mais uma banda deixando sua marca no rol da boa música nacional.



ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA


video






01 O Amanhã
02 Nada Vai Mudar
03 O Dia Que Não Terminou
04 Mercador das Almas
05 Só Por Hoje
06 Com Você
07 Silêncio
08 Meu Bem
09 Tênis Roque
10 Tô Aprendendo a Viver Sem Você
11 Send U Back







01 No Escuro O Sangue Escorre
02 Não Reclame Mais
03 Sonhos Verdes
04 Assim Que Tem Que Ser
05 Quem Sou Eu?
06 Dia Comum
07 Prosseguir
08 Você Me Faz Tão Bem
09 Ela Não Sabe (Mas Nós Sabemos)
10 Apague A Luz
11 Insone
12 Tudo Que Eu Falei Dormindo
13 Um Pouco Só Do Seu Veneno







01 O Retorno de Saturno
02 Nada é Sempre Igual
03 Verdades do Mundo
04 Só Pelo Bem Querer
05 Lógica
06 Tanto Faz
07 Oração do Horizonte
08 Soldado de Chumbo
09 Ensaio Sobre a Cegueira
10 Enquanto Houver...
11 Eu Vou Vomitar em Você